LEGENDA Bora Ler: A Hospedeira - Stephenie Meyer


Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.
Vale a pena ou a galinha inteira?

Nem só de Crepúsculo vive Stephenie Meyer. Além de sua obra mais famosa e aclamada, a autora americana possui uma ficção cientifica que é digna do gênero. A Hospedeira foi publicado originalmente em 2008 e nos mostrou a visão distópica que a autora possui da Terra. No futuro criado por Meyer, a humanidade sucumbiu por uma invasão alienígena. Esses aliens, também conhecidos como "Almas", viajam por diversos mundos em busca de hospedeiros e nosso planeta foi seu último local escolhido para chamar de lar. Quando a conexão do parasita com o hospedeiro é realizada, a entidade alienígena suprime a consciência do ser e passa a dominar o seu corpo, como se nada tivesse acontecido, sendo a única pista do parasitismo a auréola prateada ao redor da íris nos olhos do hospedeiro.

Geralmente essa conexão apaga a mente do humano, porém, com Melanie foi diferente. A alma que ocupou seu corpo tem muita dificuldade de assumir 100% do controle e com isso temos então duas mentes dividindo o mesmo corpo: Melanie, a dona original e Peregrina, a alma parasita.

Confesso que comecei a ler esse livro em 2015 e por algum motivo (talvez o início arrastado, talvez o processo para se acostumar com a narrativa da autora) ele ficou encalhado do final daquele até agora no início de 2017. Analisando agora, não foi por que eu não gostei da história ou por uma leitura arrastada, pelo contrário, achei a escrita da autora bem consistente e ágil, acredito que minha procrastinação se deva mais pelo número de páginas que torna o livro um pequeno calhamacinho.

Poucas pessoas falam sobre A Hospedeira ou temem a leitura e acredito que esse temor se deva ao estigma de ser escrito pela autora de Crepúsculo. Quando ouvem que é a mesma autora, já torcem o nariz e fazem um pré-julgamento de que a obra é ruim. Não posso dizer que Crepúsculo seja ruim (li até a metade do primeiro livro), mas pelo pouco que li, A Hospedeira é completamente diferente, tanto em narrativa, quanto em construção de personagens. 

A própria construção das personagens principais é ambíguo. De um lado você tem a Melanie que luta para obter seu corpo de volta e do outro você tem Peregrina que a priori tem a voz principal da narrativa, e tenta suprimir a hospedeira até o momento em que começa a compartilhar memórias de Melanie e com isso desperta uma empatia com relação aos humanos.

Stephenie fez algo que eu não esperava com relação a história e que inclusive eu acredito nunca ter visto quando falamos de ficção científica. A autora consegue justificar a invasão alienígena de uma forma muito original e você compra a ideia que ela quer passar e comprando essa ideia, pode ser que você apoie a invasão, mesmo que isso signifique a extinção da humanidade como a conhecemos. E foi esse o grande ponto da história que mais me despertou interesse à medida que a leitura ia avançando.

Mesmo grande parte da população sendo suprimida pelas almas, há ainda humanos "livres" e boa parte da trama é ambientada em seu esconderijo.  Temos sim um romance na história, mas é um romance diferente uma vez que temos duas "pessoas" ocupando o mesmo corpo e estas se apaixonam por pessoas diferentes. Esse triângulo/quarteto amoroso não desfavorece em nada a narrativa, pelo contrário, cria um certo dilema que é interessante acompanhar. Outros pontos que frequentemente são abordados falam sobre o significado da vida, sobre até que ponto o ser humano pode ir para conseguir se livrar desses alienígenas, a confiabilidade do humano e tudo isso serve como um tempero para a história.



Em 2013 o livro recebeu uma adaptação cinematográfica dirigida por Andrew Niccol (O Terminal, O Preço do Amanhã) e estrelado por Saoirse Ronan (Reparação, Brooklyn) e assim como o livro (ao menos aqui no Brasil), foi pouco falado e quando o foi, as críticas foram bem negativas. 

Por fim, A Hospedeira é um livro que te permite um momento de lentidão no início da leitura, mas é somente até você imergir na história, por que depois a leitura flui mesmo apresentando romance entre os personagens nesse meio tempo. O motivo disso: uma boa construção de personagens, um bom conflito entre as personagens principais e uma história bem original. Não julguem mais a pobre da Stephenie Meyer por conta de Crepúsculo (caso vocês não gostem de Crepúsculo).


7 comentários:

  1. Oii! Tudo bem ? Gostei bastante do blog, bem organizado e a resenha está ótima.
    To no grupo do whats ")
    BEIJOOO
    www.entrepaginasepalpites.blogspo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gostei da sua resenha :)
    Comecei a ler A Hospedeira mas acabei abandonando logo no começo. Mas vou tentar ler de novo hahaha

    fan-book-girl.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Ainda não li nenhum livro da Stephenie Meyer (sim, eu não li Crepúsculo), mas eu adorei cada detalhe do que você escreveu e vou tentar dar uma chance para a autora. Será que "valerá a pena ou a galinha ?" hahahah

    Estou seguindo seu blog.
    Abraço,
    Ler Antes De Dormir

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Gostei muito do seu blog. Eu também tenho um, gataliteraria.blogspot.com.br . Dá um pulinho lá depois! Bjs

    ResponderExcluir
  5. Eu acho super legal a Saga Crepúsculo (Tô nem ai pros Haters), mas nunca li o A Hospedeira :/ Tá na minha lista já faz um tempâo, mas não sai de lá. Quem sabe um dia eu leio, né? Adorei o blog e já estou seguindo ;)
    Abraço,
    Squadofreaders.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Rapaz, eu amo esse livro! Adorei a construção da estória, dos personagens. Eu achei o inicio um pouco arrastado, mas depois que a gente pega o embalo da narrativa é impossível parar até terminar.
    Não gostei muito da adaptação, não sei porque. Já tentei assistir algumas vezes, mas ele nunca prende totalmente a minha atenção =/

    Adorei sua resenha e seu blog! Ameeei a classificação por penas *---*
    Beijos!
    www.crescendoemflor.com

    ResponderExcluir
  7. Olha, nunca tive vontade de ler esse livro, mas confesso que agora fiquei curiosa.
    Seu blog é muito bom! Até ri na classificação que você dá da galinha toda sauhuhas
    Parabéns, muito sucesso!
    Beijo,
    https://meulivrofantastico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir