LEGENDA Bora Ler: Perdido em Marte - Andy Weir

Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte e, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho. Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente. Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico e um senso de humor inabalável, ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência.
Vale a pena ou a galinha inteira? 

O autor Andy Weir faz então sua primeira incursão como escritor abordando um tema que chama a atenção dos leitores e num campo que ele conhece bem. Andy é um nerd de carteirinha quando o assunto é física relativista, mecânica orbital e assuntos referentes ao universo e isso se torna claro ao ler Perdido em Marte.

Os primeiros capítulos do livro temos o diário de bordo do então sobrevivente Mark Watney e somos apresentados aos termos técnicos envolvendo a conquista espacial, porém, a forma como Mark descreve os equipamentos é muito divertido e acessível ao público leigo, além de tornar claro logo de início de que o humor irá permear a história.

Outro ponto que o livro me cativou (nisso puxarei sardinha para o meu lado) é a de que Mark além de engenheiro, também é botânico e descobre na botânica uma forma de aumentar seu prazo de vida no planeta vermelho: ele literalmente começa a plantar batatas em Marte. Demais campos da ciência também serão responsáveis pela sobrevivência do nosso personagem, como a química e até mesmo a física.

À medida que vamos lendo o diário de bordo, vamos nos saturando da história e nem mesmo o humor do personagem consegue fazer a história engrenar e compromete a fluidez do livro. Andy então utiliza de sua carta na manga para manter o ritmo dinâmico da história: ele começa a revesar entre o que está acontecendo em Marte e na Terra. Nesse ponto somos apresentados aos personagens que trabalham na NASA, bem como, os outros tripulantes que estiveram no planeta vermelho com Mark e estão voltando para casa. A narrativa fora de Marte se torna muito mais interessante do que dentro dele, o que pode ser apontado como uma falha da obra em certos pontos.

Citações de cultura Pop são frequentes ao longo da história como a citação de Aquaman e do Conselho de Elrond (Senhor dos Anéis). Mark também é "obrigado" a ter que ver programas da década de 70 e ouvir músicas da dance music para passar o tempo e para quem adora essa época (vulgo eu) acaba ficando mais ambientado na trama.

O roteiro do livro dá todas as informações e detalhes para que o leitor construa em sua própria cabeça os eventos e cenários, formando assim em nossa mente uma visão cinematográfica, caso a obra fosse adaptada para o cinema. Então, quando você termina a leitura, você descobre que o livro será adaptado para os cinemas pelo diretor Ridley Scott (Alien, Gladiador, Prometheus) e terá Matt Dammon (Tom Ripley, Trilogia Bourne, Invictus, Elysium) vivendo Mark (o engraçado é que durante a leitura, fui construindo a visão do personagem justamente em cima do ator).

Com um tema que desperta muita curiosidade, Perdido em Marte não chega a ser um livro inovador, que mudará os paradigmas da ficção científica, mas que promete uma leitura leve, com uma dose de informação técnica acessível a maioria dos leitores e um humor que agrada, se tornando portanto um bom livro para entretenimento.


8 comentários:

  1. Olá, estava super curiosa em relação a esse livro. Imagina: ficar perdido em Marte! Gostei da sua resenha, preciso saber como tudo isso termina.
    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria tudo bom?
      Também estava super curioso a respeito dele e acabei passando ele na frente de muitos outros e o resultado foi até bem satisfatório. Espero que você também goste dele tanto quanto eu gostei.
      Abraços ^^

      Excluir
  2. Oii, sou louco por esse livro desde o lançamento. Preciso muito muito lê-lo, e agora com sua resenha fiquei com mais vontade ainda kkkk =D
    Um abraço
    Oficina do Leitor / Facebook

    ResponderExcluir
  3. Olá Daniel tudo bom?
    Hahaha tive essa mesma reação que você: "preciso muito muito lê-lo" e não me arrependo de tê-lo passado na frente de tantas outras leituras agarradas aqui :P.
    Espero que goste dele também :)
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Tiago
    Gostei da sua resenha!
    Assisti Interestelar e confesso que embora o tema agrade, me dá muita aflição...rsrs
    Vou colocar na minha interminável lista!
    Bjs

    www.blogdaclauo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudia tudo bom?
      Ow... acho que essa aflição que você sente é a mesma que eu sinto também, fico me imaginando naquela situação e não sei se eu sobreviveria não. Com relação a Interestelar, fui assistir com 2 amigos, fui o único que sai com os olhos brilhando da sala hahaha
      Abraços ^^

      Excluir
  5. Olá Tiago.
    Suas resenhas estão cada vez melhores, parabéns.
    Sempre tive curiosidade sobre esse livro, acho que eu vou gostar.
    Adorei o novo layout também.
    bjs
    Luana
    www.blogmundodetinta,blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luana tudo bom?
      Obrigado mais uma vez pelos elogios :)
      O novo layout foi presente de uma amiga designer que havia falado que iria me presentear, fiquei tão feliz quando recebi ele que até deixei de lado meus estudos para uma prova de latim que eu dia no dia anterior hahaha.
      Abraços ^^

      Excluir