LEGENDA Bora Ler: A Redoma de Vidro - Sylvia Plath

Dois anos antes de suicidar-se em 1963, a poeta Sylvia Plath elaborou esse romance sobre uma mulher - no fundo, ela mesma de nome Esther Greenwood - que vai perdendo o senso até que sobra só um surrealista e vazio senso comum.
Vale a pena ou a galinha inteira? 

A Redoma de Vidro é o único romance escrito por Sylvia Plath que tem suas vertentes mais fortes no campo da poesia, contudo, o que se pode observar nesse filho único de Plath é que mesmo se tratando de um romance, ela conseguiu escrever de uma forma tão delicada que você percebe fortes ares poéticos ao redor da obra.

Acompanhamos a vida de Esther Greenwood, uma aluna excepcional que após passar um período de estágio em uma famosa revista feminina, volta para a casa de sua mãe no interior. Já nesse período do estágio, a autora nos fornece indícios das preferências e conflitos vividos pela protagonista, ao percebemos que ela não se enquadra no mundo de glamour oferecido a ela. Ao voltar para casa, após uma grande decepção, Esther vai aos poucos perdendo o senso da realidade e após uma tentativa de suicídio é internada em um manicômio.


A leitura sofre algumas quebras ao longo da história, uma vez que, em raros casos os capítulos engatam, cada capítulo novo, dá a sensação de ser um fragmento de memória novo que a personagem nos mostra, o que particularmente me deixou um pouco perdido, mas depois que se acostuma dá para prosseguir sem grandes problemas.

Por se tratar de uma obra escrita em 1961, dois anos antes do suicídio da autora, é visível que Esther nada mais é do que a personificação da personagem. Lendo a obra com essa ideia, podemos então perceber que todas as decepções amorosas, todos os conflitos entre ela e a mãe e até mesmo os conflitos internos, não ficam fixos apenas à personagem e sim são apenas reflexos do que possivelmente a autora estava sentindo. O livro em si tem uma grande força emocional, justamente pela autora transpor com tanta clareza e fidelidade todo o processo de sua depressão, desde pequenos fatos como deixar de tomar banho, ficar sem dormir a casos mais graves como pensar em formas de se matar de forma rápida e indolor.

A Redoma de Vidro é uma obra com uma carga extremamente densa, porém, é amenizada de forma magistral  pela escrita da autora com textos soando como memórias poetizadas da personagem, e merece ser lido por quem gosta de ler um bom livro.


2 comentários:

  1. Nossa, eu tenho muito curiosidade de ler esse livro, a resenha só aumentou ainda mais a vontade, rss parece ser um livro que nos prende do início ao fim...

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Joanderson blz?

      Eu relutei muito para ler esse livro por que achei que seria ruim, mas fui "obrigado" a lê-lo por conta do desafio e tive essa grata surpresa de descobrir Sylvia Plath. Espero que consiga ler ele em breve e que goste da leitura ^^
      Abraços ^^

      Excluir