LEGENDA Bora Ver: Peking Opera Blues

O filme é ambientado em Pequim por volta de 1913 e vai retratar as aventuras de um trio de mulheres: Cao Wan, uma rebelde que se veste como homem e filha de um general; Sheung Hung, uma garota engraçada que se mete em várias confusões e Bai Nui, a filha de um proprietário de uma ópera chinesa, que juntas com mais dois homens rebeldes, tentarão roubar documentos importantes que possam auxilar os guerrilheiros na luta pela república do país. 
Vale a pena ou a galinha inteira?

Peking Opera Blues é um clássico que mistura de forma improvável intrigas políticas e históricas com uma tirada de ação, comédia e malabarismos acrobáticos típicos de filmes orientais. Ao auxiliar os revolucionários secretamente, Cao Wan cai no típico conflito de herói: seguir o correto ou o amor pela família. 


É um filme que quando começou, pensei: Onde fui me meter?? Em sã consciência, acredito que à primeira vista, nunca começaria a ver esse filme, porém, depois que você começa você não quer parar. O enredo é muito rápido. Mesmo assistindo a altas horas da madrugada (meu caso), ele não te permite piscar o olho.

Costumes chineses da época podem ser percebidos no filme, mesmo este sendo muito caricato. A trupe de atores de ópera chinesa é toda composta por homens que se vestem como mulheres para as apresentações, a presença de mulheres reais no palco é estritamente proibida, então temos Bai Nui, cujo sonho é ser uma atriz de palco e que tem o seu sonho barrado pela tradição. 
O filme não chega ao padrão vintage, por que mesmo que Tsui Hark explore um ambiente do inicio do Século XX, temos ali, representações universais de criticas em formas de paródias, como por exemplo, a subversão de gêneros: as mulheres atuando como homens e vice-versa. A bem da verdade, é que é um filme loucamente divertido.

Tsui Hark conseguiu com sua sensibilidade, pegar um filme que tinha tudo para parecer bizarro e torná-lo cativante. O público se vê entre diversas direções no filme: entre a comédia e a ação, entre o drama e a aventura. Mudanças bruscas entre essas direções, que em qualquer outro filme deixaria o telespectador com a sensação de "faltar pedaço", em Peking Opera funciona com naturalidade. Outro grande destaque, vai para a performance das atrizes que conseguem passar a amizade que cresce entre o grupo de forma natural, mesmo imersas no exagero que a obra exige. 

Mesmo tendo um final vazio, Peking Opera Blues está entre os filmes da Era de Ouro de Hong Kong (final dos anos 80 e início dos anos 90), possuindo as mesmas características dos filmes dessa época (desespero, esperança e emoção) e mesmo que tenha TUDO para ser um filme confuso, consegue converter isso em uma maravilhosa película chinesa.



* As imagens retiradas do filme:  Peking Opera Blues, são puramente com o intuito de ilustração e divulgação. Todos os direitos das mesmas são de seus criadores ^^

Nenhum comentário:

Postar um comentário