LEGENDA Bora Ver: O Caçula


Na tradicional cidade de Hickoryville, em meados de 1877, os três filhos da família Hickory, vivem sob o comando de seu pai, o xerife Jim. Enquanto dois de seus filhos, Leo e Olin são fortes e os seus preferidos, somos apresentados a Harold, que é o tímido caçula. Quando uma feira itinerante chega a cidade, Harold se vê apaixonado por Mary e após um roubo, onde seu pai é o principal suspeito, o caçula da família terá que provar a inocência de seu pai e mostrar seu valor tanto para Mary, quanto para sua irmãos.
Vale a pena ou a galinha inteira? 



Então, não havia como eu ter começado da melhor forma esse desafio. Como amante de filmes antigos (especialmente os mudos), fiquei muito surpreso e feliz ao ver que O Caçula se enquadrava nesse perfil. Por mais que o filme seja mudo e que mostre poucas placas de falas ao longo da história, quem assiste consegue perfeitamente entender todo o roteiro que os produtores se atentaram em passar, por ser muito simples chegando até a ser belo. Harold me lembrou e muito Os Trapalhões na sua fase de ouro, com situações engraçadas e com o fato do protagonista ser perseguido pelos irmãos e sempre conseguir passar a perna neles. A trilha sonora consegue marcar cada um dos núcleos de personagens de uma forma muito cativante. 

Um dos astros do filme, fica a cargo de um macaco que é o ajudante do grande vilão do enredo, o que estereotipa as caravanas de feiras de antigamente que tinham seus macacos que recolhia (quando não roubava) o dinheiro da platéia. 
O jeito atrapalhado de Harold dá o ar da graça e faz com que O Caçula seja uma obra-prima do cinema, mesmo que pouquíssimas pessoas o conheçam. Vale a galinha, o galinheiro inteiro.
E vocês? Se interessam por filmes mudos e preto-e-branco? Até o próximo Entre os 1001.


* As imagens retiradas do filme:  The Kid Brother, são puramente com o intuito de ilustração e divulgação. Todos os direitos das mesmas são de seus criadores ^^

Nenhum comentário:

Postar um comentário